O equilíbrio entre emoção e razão

Para não perdemos o controle de nossas finanças e ter sempre dinheiro no bolso devemos manter o equilíbrio entre a emoção e razão.

Você já deve ter notado que a realização de sonhos não acontece por acaso, mas é fruto das escolhas financeiras que fazemos para torná-los reais.

A vida é feita de escolhas, sejam elas conscientes ou inconscientes.

Você já pensou que, pelo simples fato de não escolher, você já está fazendo uma escolha?

O ser humano é o único que tem a capacidade de não se valer apenas dos instintos e das emoções para direcionar as suas escolhas. No entanto, há momentos em que tomamos atitudes ou efetuamos escolhas com base exclusivamente nas emoções.

Não se pode dizer que isso, a princípio, seja bom ou ruim, mas, em regra, é importante cuidar para que nossas escolhas equilibrem emoção com razão.

Equilíbrio entre a razão e emoção

Vivemos em uma sociedade voltada para o consumo. Somos diariamente bombardeados com propagandas e artifícios criados com a finalidade de despertar nossas emoções e criar necessidades por produtos e serviços que, por vezes, nem mesmo precisamos ou queremos para nós, mas que simplesmente passamos a desejar.

Entenda que não é errado você querer coisas que não sejam estritamente essenciais.

É normal ter desejos e, dentro de suas posses, comprar produtos e serviços que satisfaçam esses desejos. Entretanto, é importante ter em mente que o consumo não pode ser movido apenas pela emoção, ou pior, pela emoção imposta por meio de propaganda ou de imposição social, como a necessidade de manter status e coisas do tipo. São nessas ocasiões que acabamos por desperdiçar nosso suado dinheiro.

Aliás, você já parou para pensar o que “manter o status” significa para você?

Muitas vezes, a pretexto de “manter o status”, as pessoas compram produtos de que não precisam, com dinheiro que não têm(cartão de crédito, cheque especial, financiamentos) para impressionar pessoas de quem não gostam – e, até, para demonstrarem ser quem de fato não são.

Devido a todo o bombardeio que sofremos, estimulando nossas emoções para o consumo, devemos estar atentos e, em certos momentos, esforçar-nos para incluir a razão em nossas escolhas financeiras, sempre lembrando que o objetivo não é excluir as emoções de nossas escolhas, mas apenas dar a elas o peso adequado.

No processo de escolha, a emoção e razão funcionam como dois lados de uma balança que devem manter-se equilibrados.

E você, sempre procura o equilíbrio sobre a razão e emoção no momento de fazer suas escolhas financeiras?

Conte aqui sua experiência e deixe seu comentário.

Este artigo também faz parte do Caderno de Educação Financeira , onde você também poderá ler:

>>>A nossa relação com o dinheiro

>>>Qual o seu relacionamento com o dinheiro?

>>>Sonhos e projetos

>>>Transforme sonhos em projetos

Deixe seu comentário.

Sobre o autor | Website

Meu nome é Reginaldo de Souza e sou o autor e fundador do Escolhas Financeiras. Sou Contador e apaixonado por Finanças Pessoais, Investimentos e Marketing Digital.

Cadastre-se para receber nossas dicas e atualizações!

100% livre de spam.